Projeto Congelamento Solidário — Como Tornar A Preservação Da Fertilidade Possível?

Veja no artigo como é possível realizar um tratamento de preservação de fertilidade pelo Projeto Congelamento Solidário, da VidaBemVinda!

Compartilhe este post

Pensar em preservação da fertilidade é algo importante já que, atualmente, muitas mulheres preferem ter filhos depois dos 35 anos. Essa decisão pode ocorrer por vários motivos, mas o ideal é conhecer todas as opções que estão disponíveis para quem deseja abraçar a maternidade em algum momento da vida. 

Para viabilizar que o máximo de mulheres tenham acesso às medidas de preservação de fertilidade, a VidaBemVinda realiza o Projeto Congelamento Solidário. Saiba mais sobre o assunto lendo o artigo!

O que é preservação da fertilidade?

Preservação da fertilidade são medidas que permitem congelar os gametas ─ ou seja, as células reprodutivas ─ para que eles possam ser utilizados no futuro. 

Dessa forma, o congelamento de óvulos auxilia grandemente mulheres que desejam postergar a gestação, seja por motivo de planejamento de vida ou por questões de saúde, como um diagnóstico de câncer. Neste último caso, as mulheres que são submetidas a quimioterapia podem ter sua reserva ovariana reduzida.

É importante ressaltar que a VidaBemVinda considera ser ideal que o congelamento seja feito até os 35 anos de idade. Os estudos que associam idade com taxa de gravidez e abortamento, mostram uma acentuação de declínio após esse período. 

Depois de congelados, os óvulos podem ser utilizados através da Fertilização in Vitro (FIV). De acordo com o Conselho Federal de Medicina, a paciente pode realizar a FIV até os 50 anos de idade.

Com a intenção de viabilizar financeiramente o congelamento de óvulos e ainda ter a possibilidade de ajudar um casal que sonha em ter filhos, a VidaBemVinda criou o Projeto Congelamento Solidário.

Conheça o Projeto Congelamento Solidário

A VidaBemVinda realiza o Projeto Congelamento Solidário, que é voltado para mulheres que têm o sonho de ser mãe ou mesmos para aquelas que não pensam nessa possibilidade, mas que querem criar essa opção para o futuro. 

O mais interessante do projeto é que essa pessoa que deseja congelar os óvulos doa metade deles para mulheres que desejam ser mães, mas precisam recorrer à ovodoação. Em contrapartida, a receptora dos gametas custeia parte do tratamento da doadora. São mulheres com o mesmo sonho que podem se ajudar.

Todo o processo de doação e recepção é anônimo e mediado pela equipe da VidaBemVinda. Uma pessoa pode participar até duas vezes do projeto e, para isso, a doadora deve atender à alguns critérios, a fim de garantir a segurança de todas as pessoas envolvidas no projeto:

 

  • ter menos do que 35 anos;
  • cariótipo normal ─ quantidade normal de cromossomos;
  • sorologia negativa para infecções sexualmente transmissíveis;
  • IMC entre 18 e 30;
  • boa reserva ovariana ─ avaliado por ultrassom, sendo que esse primeiro exame é sem custo;
  • não ser tabagista;
  • não fazer uso de drogas ilícitas;
  • não possuir doenças genéticas ou autoimunes.

O Projeto Congelamento Solidário é uma forma muito nobre de realizar o sonho de ser mãe, no momento que a mulher ache mais adequado, ajudando outra mulher a ter essa mesma realização. Se você ficou interessada, entre em contato com a equipe da VidaBemVinda!

Compartilhe este post

Artigos relacionados