02 de fev de 2022

Como É Feita A Transferência De Embrião Congelado?

Você sabe como ocorre a transferência de embrião congelado? Essa técnica oferece mais chances de sucesso no tratamento da infertilidade e é uma opção para aqueles que desejam se programar para o futuro. Entenda!

Por Dra. Larissa Matsumoto

Compartilhe este post

Você sabe o que é a transferência de embrião congelado? Trata-se de uma técnica segura, que tem por objetivo oferecer maiores chances de sucesso no tratamento de fertilização in vitro, muitas vezes indicada para preservar a saúde da mulher.

O procedimento também pode ser encarado como uma possibilidade de programação do momento da gravidez, seja social — quando o casal planeja constituir uma família no futuro — ou para escolher o período mais seguro para a gestação, como após o fim da pandemia.

Continue a leitura para saber mais sobre como ocorre esse processo!

Quem pode fazer a transferência de embrião congelado?

A transferência de embrião congelado é especialmente recomendada para:

  • as mulheres que têm risco de desenvolver a síndrome de hiperestimulação ovariana;
  • casos em que são solicitados exames de screening genético, que têm por objetivo diagnosticar nos embriões a existência de alguma doença de origem genética ​antes da implantação no útero da mãe; ou por decisão do casal,​ em realizar biópsia embrionária e análise​ genética do embrião;​
  • pacientes que investigaram a janela de implantação com teste ERA (Endometrial Receptivity Array), uma avaliação molecular capaz de indicar se o endométrio é receptivo em um período específico.

 

Como acontece a transferência do embrião congelado?

A implantação embrionária é extremamente importante para o sucesso do tratamento de fertilização in vitro. Nesta fase, são realizadas avaliações endometriais via ultrassom e verificação de dosagens hormonais, além da medição da espessura, aspecto e proporção entre útero e endométrio.

Veja mais etapas desse procedimento realizado pela VidaBemVinda!

1. Congelamento

Na clínica da VidaBemVinda o procedimento para realização do congelamento dos embriões é a vitrificação, que é a técnica mais usada e bem-sucedida que existe.

Por se tratar de um método ultra rápido, evita a formação de cristais de gelo dentro do óvulo.

O processo envolve o uso de crioprotetores, que fazem a retirada da água de dentro da célula reprodutora feminina e, com isso, oferecem maior chance de recuperação após o seu descongelamento. A taxa de sobrevivência de um embrião congelado chega a 96 a 98%.

2. Transferência

A transferência do embrião para o útero deve ser cuidadosa e ocorre com o auxílio de um cateter interno.

Também deve-se ter atenção quanto à localização do embrião. Quando depositado em uma parte muito alta da cavidade uterina, aumenta-se a chance de trauma no endométrio, que pode induzir contrações uterinas. O ideal é que ela ocorra na porção central do útero, chamada de mip (maximal implantation potential) point.

Por isso, é importante que o procedimento seja guiado por ultrassom, como é feito pelos profissionais da VidaBemVinda.

Aqui na clínica também utilizamos um cateter do tipo maleável, que é mais delicado, causa menos dano e está associado às melhores taxas de gravidez.

3. Repouso

Apesar de não haver comprovação da necessidade de repouso, essa pausa pode ser importante para a busca de harmonia, já que se trata de um procedimento delicado.

O que mais vai contar para o sucesso da transferência é a individualização do tratamento e como ele foi realizado. Por isso, a boa escolha do local onde ele será executado é fundamental.

A clínica da VidaBemVinda, além de ser especializada em reprodução humana, conta com uma equipe médica de alta capacidade técnica, transparência, acolhimento e humanização. Para você que deseja realizar o procedimento ou conhecer mais sobre a transferência de embrião congelado, entre em contato conosco!

Compartilhe este post

Artigos relacionados